Arte

Emprego

Post Page Advertisement [Top]

Lembra do filme "O Diabo Veste Prada"? Anne Hathaway era Andy, uma jornalista que gostava de grandes reportagens, mas que lutava para conseguir uma vaga de emprego em um jornal. Até que ela consegue um trabalho na Runway, uma famosa revista, comandada pela temida Miranda (Meryl Streep, maravilhosa no papel), a editora e chefe da publicação.

Andy passa poucas e boas trabalhando para Miranda, que é extremamente exigente e até grosseira com seus funcionários. Não vou revelar o desfecho da história, mas a jovem aprende com sua jornada e entende quem ela realmente é e o que ela está buscando afinal.

Pois bem! Em "Um Senhor Estagiário", que você encontra na Netflix, Anne agora é a chefe! Ela é Jules, uma empreendedora que criou um e-commerce que vende roupas, suprindo uma necessidade da comunidade local. O negócio deu tão certo que surgiram clientes de vários lugares e ela contratou mais gente e alugou um espaço muito legal e moderno. A inventividade da marca também se reflete nas propostas dela: a empresa de Jules lançou um programa de estágios para pessoas mais maduras - e aí que Robert De Niro entra na trama.
Ele interpreta Ben, um viúvo aposentado que se ocupa fazendo diversos cursos, viajando, mas que não preencheu o vazio que sente. Ele se candidata para o programa de estágio e começa a trabalhar como estagiário pessoal da empresária. Logo ele percebe que ela não tem muito tempo: não dorme muito bem, não desgruda do computador nem em casa, quase não participa da vida da filha e não reconhece abertamente as qualidades de seus funcionários. Jules, inclusive, conta com uma assistente sobrecarregada que sofre por sua rotina repleta de afazeres e sem reconhecimento da chefe. 

Além disso, a empreendedora não delega tarefas para Ben, que se coloca à disposição dos demais colegas, dando conselhos e sendo empático, algo está em falta nas relações das pessoas. Um exemplo disso é quando ele limpa a mesa dos descartes, um móvel que era a "lixeira" do escritório. Ninguém pediu para ele fazer isso, mas percebendo que todo mundo reclamava e nada era feito, ele resolveu agir. Num outro momento, o personagem compra uma sopa para a chefe, que não tinha conseguido almoçar por conta de uma importante reunião. Ela apenas comentou com ele o fato, mas a iniciativa de fazer algo a respeito partiu dele.

Ao longo do filme, percebemos também um pouco dos pensamentos ultrapassados que os jovens têm com relação aos mais velhos, o que é algo irônico, já que por serem tão modernos e conectados, ideias baseadas em preconceitos não deveriam ter espaço em suas conversas. Não é a tecnologia que vai mudar a mentalidade de ninguém, mas pode ser uma boa ajuda nesse processo, regado a discussões e reflexões.

E Ben também aprende com seus colegas mais jovens e essa convivência faz bem para os dois lados. O filme tem momentos divertidos que brincam com a instabilidade dos jovens e a expectativa dos mais velhos com o tempo que está passando. 

Há aspectos na trama, porém, que poderiam ser aprofundados ou melhorados. No filme, vemos os defeitos de Jules e até a decisão dela no final é questionável com relação à família e o trabalho. Mesmo assim, a trajetória dela é mais verossímil do que a de Ben, pois ele é um personagem quase perfeito. Quais os vícios, quais as imperfeições do protagonista? Nesse ponto, acho que a história enfraquece um pouco, pois parece induzir o público de que a personagem de Anne tem muito mais a aprender com o estagiário, ao invés de uma troca de conhecimentos.

De modo geral, é um filme leve, divertido e que vale ser visto. E você, já assistiu? Tem outras sugestões para gente? Deixe seu comentário, fique à vontade. XD 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Vinícius Irizaga