Full width home advertisement

Arte

Emprego

Post Page Advertisement [Top]

“Star Wars: Os Últimos Jedi” é um filme que inquieta, emociona e nos faz refletir: não porque atende às nossas expectativas de ver na tela tudo o que esperamos para o destino da Galáxia e da família Skywalker, mas justamente por surpreender o público e inovar.

Apesar da trilogia original/clássica morar nos corações dos fãs e apresentar personagens que se tornaram ícones da Cultura Pop e conhecidos no mundo todo, como Luke, Leia, Darth Vader e Han Solo, nos episódios Uma Nova Esperança (IV), O Império Contra-Ataca (V) e O Retorno de Jedi (VI), o “Episódio VIII: Os Últimos Jedi”  vem descontruir vilões, por à prova as certezas dos heróis e deixar mais difusa a linha que separa o Bem e o Mal, a Luz e a Escuridão.

Nos primeiros filmes, o Império Galático era mostrado como opressor e cruel, e seu líder Darth Sidious/Palpatine era a representação de um Mal maior, dos Sith, ligados ao Lado Negro da Força, entes que precisavam ser combatidos pelos corretos Jedi, que lutavam pelo bem da Galáxia.
E nos prequels, episódios I, II, e III – A Ameaça Fantasma, Ataque dos Clones e A Vingança dos Sith, havia um claro distanciamento e condenação de tudo o que contrariasse a Ordem, inclusive sentimentos positivos, como o Amor.

Foi mostrado, inclusive durante a saga, que uma mistura de arrogância e inflexibilidade da Ordem contribui para a queda dos Jedi...ok, mas você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver com o novo filme?

Tudo. Ao invés de criar um Império Contra-Ataca 2.0 ou nos trazer a mesma história - Luke treina Rey, assim como Yoda fez com ele, e Rey vai lá e enfrenta Snoke e Kylo Ren, algo semelhante ao confronto do trio Sidious, Vader e Luke, na cena derradeira de O Retorno de Jedi - , o que vemos é uma reviravolta bem interessante e que mostra que Ren não é seu avô,  o vilão consolidado e pleno, mas é, no fundo, tão humano e maligno quanto ele. Com a ressalva que é um antagonista em seu início, ainda em construção, mas mais seguro de si do que em sua primeira aparição lá no Episódio VII – O Despertar da Força.

E as melhores cenas de luta são coprotagonizadas por ele com adversários à altura. Além dele, a nova protagonista, Rey, é testada no filme, sendo confrontada em suas crenças. 

Ela é enviada pela general Leia – que mostra sua força na trama, lembrando muito a princesa destemida da trilogia clássica - para pedir ajuda de Luke na batalha contra a Primeira Ordem, mas o velho Jedi já não é mais o mesmo Cavaleiro de outrora. Cansado, descrente dos Jedi e da vida e atormentado pelo passado, Skywalker quer tudo menos ser incomodado em sua reclusão forçada – pelo menos até aquele início de trama. No decorrer, você acompanha a evolução de Luke e ele tem cenas que reforçam o quanto ele é forte na Força.

E mesmo com essa resistência inicial, o herói ajuda, de certa maneira, Rey, em sua jornada de autodescoberta e de encontrar seu caminho. E a trama une a jovem, Luke e Ren de uma maneira muito interessante, sem colocá-los em rótulos e demonstrando que o suposto Lado da Luz ou da Rebelião também esconde Trevas.

Outro destaque é que o filme relembra momentos clássicos da saga, e até faz releituras, induzindo a cenas parecidas, mas com desfechos diferentes. E referências a embates ou batalhas marcantes e até a personagens estão lá. Há até cenas que fazem você lembrar, inclusive, de outras produções, como Harry Potter, Matrix e Karatê Kid.

Claro, nem tudo são flores, e o filme poderia abordar mais seus pontos fortes ao invés de perder tempo com tramas paralelas no meio do longa e optar por não responder muitas questões levantadas em O Despertar da Força, como a identidade de Snoke, como a Primeira Ordem se consolidou e acabou tocando o terror na Galáxia, entre outros questionamentos.

No mais, Episódio VIII é uma rica aventura que reverencia, acima de tudo, o poder e significado da Força, maior do que qualquer personagem ou linhagem, e essa é a melhor mensagem que o longa pode nos proporcionar. Uma boa semana e “Que a Força Esteja com Você”!



*Texto: Vanessa Irizaga, jornalista formada em Comunicação Social/Jornalismo, atualiza o site Portal Contato e é idealizadora do Mistura Alternativa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Vinícius Irizaga